8.13.2013

coisas que fascinam (162)

A memória mais forte que tenho dela é o toque dos seus dedos. Foi com ela que aprendi que a compatibilidade entre duas pessoas pode ser o toque, muito mais do que a voz, a semântica ou o cheiro. Ou melhor, os toques todos. Aqueles que acontecem quando se dá a mão na fila do supermercado e se discute o preço dos chocolates, mas também os outros, que nascem e morrem no segredo duma cama.
Por causa desses toques, caminhámos em silêncio durante uma parte importante da nossa vida, unidos pelos dedos. Uma vez parámos num pequeno café em Espanha, a caminho de lugar nenhum. Lembro-me das ruas desertas, do calor intenso e do estranho sabor agridoce na boca, logo pela manhã. Era ali que eu tinha prometido levá-la, para a devolver a casa depois daquele tempo que decidimos ser o nosso. Deu-me um abraço, estendeu-me a palma da mão esquerda no ar e colou a dela à minha. Ao afastá-la, brincámos com as pontas dos nossos dedos, como se todos os toques estivessem ali guardados.
Acho que ainda estão. Eu, pelo menos, ainda os sinto.

8 comentários:

Estudante disse...

Lindo :)

Bagaço Amarelo disse...

estudante, obrigado. :)

Quase nos "entas" disse...

há qualquer coisa de maravilhoso quando se anda de mão dada....
há uma entrega..
pena que acabe .....pena
beijinhos Bagaço :)

Bagaço Amarelo disse...

quase nos "entas", acaba para começar de novo... :)

Dani disse...

é, bem isso.
(obrigada)

Bagaço Amarelo disse...

dani, obrigado. :)

Malena disse...

Quando se está apaixonado, o toque é algo de transcendente! :))

Bagaço Amarelo disse...

malena, pois é... pois é... pois é... :)